A Mágica do Gerenciamento de Projetos de eCommerce
por Mauricio Aguiar, CFPS
publicado na Developer’s Magazine, junho de 2000

De 1 a 3 de maio deste ano, cerca de 250 Gerentes de Projetos de TI reuniram-se no Colorado Springs Resort, em Orlando, para participar do evento anual do PMI-ISSIG - Grupo de Interesse Especial em Sistemas de Informação do PMI. O PMI, ou Project Management Institute, é um velho conhecido dos leitores da DevMag. Talvez uma boa parte desses leitores não saiba, contudo, que o PMI-ISSIG é praticamente outro PMI dentro do PMI. O PMI-ISSIG orgulha-se de contar com aproximadamente 14.000 membros em 70 países.

O evento anual do PMI-ISSIG é denominado Professional Development Seminar (Seminário de Desenvolvimento Profissional). O tema deste ano foi... mágica. Aproveitando o clima Disney do local, os tracks, ou áreas de conhecimento do evento foram: Mágica de Projetos pelo Manual, eMágica, Hocus Pocus - Foco em Estratégias Tecnológicas, Polindo Sua Bola de Cristal, Spotlight do Mágico e Fazendo Seus Problemas Desaparecerem.

Mágica de Projetos pelo Manual tratou de aplicações do PMBOK - Project Management Body of Knowledge, o universo de conhecimento do gerenciamento de projetos, manual publicado pelo PMI. A sessão mais interessante para os leitores da DevMag foi a que versou sobre a extensão do PMBOK ao gerenciamento de projetos de TI, trabalho em andamento e ainda sem previsão de conclusão.

eMágica buscou apresentar, em quatro excelentes sessões, as características e problemas do gerenciamento de projetos na era do eCommerce. Como essa foi a grande estrela do evento, mais adiante dedico algumas linhas ao assunto.

Hocus Pocus - Foco em Estratégias Tecnológicas versou sobre aplicações do gerenciamento de projetos a situações específicas, como é o caso da indústria de serviços financeiros e da automação da força de vendas.

Polindo Sua Bola de Cristal foi dedicado à arte da estimativa, técnicas de coleta e análise de dados e à análise de risco.

Spotlight do Mágico focou o gerente de projetos e as habilidades necessárias ao sucesso nessa atividade. Estratégias pessoais, formação e gerência de equipe brilharam aqui.

Fazendo seus problemas desaparecerem lidou com os problemas crônicos do gerenciamento de projetos, apresentando estratégias para lidar com projetos problemáticos, mudanças de orçamento e a implantação de um escritório de projetos, como alternativa de solução.

O keynote speaker, Frank Addeman da Disney Imagineering, impressionou os participantes com seu relato sobre o planejamento e controle exigidos pelo projeto de um parque temático como o Animal Kingdom (Reino Animal), inaugurado em abril de 1998 no Disney World. O projeto envolveu, dentre outras coisas monumentais, a construção de cerca de 100 prédios temáticos, além de lagos, árvores, animais artificiais e muito mais.

Como não era possível participar de todos os tracks, este autor quase escolheu, por vício profissional, o track sobre estimativas e análise de risco. Mas a curiosidade sobre o eCommerce foi maior. Quais as diferenças entre o gerenciamento de projetos convencionais de TI e um projeto de eCommerce? O que muda? Alguém sabe? Vejamos o que disseram os palestrantes.

Dennis Johnson, da USAA - United States Automobile Association, que possui mais de 3,5 milhões de associados e quase 23.000 empregados, deixou claro que, no eCommerce:

É importante notar que, segundo Johnson, a USAA está buscando o nível 2 da classificação CMM. Não se trata, portanto, de uma organização madura em TI.

David Zolzer, professor de Electronic Commerce e Information Systems da Our Lady of the Lake University, citou o trabalho de Patricia Seybold, autora do livro "Customers.Com". Segundo ela, os fatores críticos de sucesso no eCommerce são:

Jack Duggal, da Inacom Corporation e da University of Hartford, descreveu o que ele chama de e-PM Paradox (o paradoxo do e-Gerenciamento de Projetos):

Finalmente, o ponto alto do evento: Ross Kelly, Vice-Presidente de Serviços Profissionais da COMPAQ, que compartilhou com os participantes diversas e valiosas reflexões sobre eCommerce. Ross lembrou que um de seus clientes mais importantes - a famosa amazon.com - sempre diz que "não se trata de fazer e-business, mas sim de ser um e-business". Segundo ele, o objetivo atual da Amazon é ser uma ZLE - Zero Latency Enterprise (Empresa de Latência Zero). Na prática, isso significa que os caras da Amazon querem monitorar cada click que você der na sua máquina, com a resposta do sistema deles modificando-se dinamicamente e de acordo com o que você clicar. De acordo com o relato, a Amazon espera um aumento de receita de US$ 1 milhão por dia com esta mudança. Ross Kelly resumiu nos seguintes pontos o impacto do eCommerce sobre o gerenciamento de projetos de TI:

O VP da COMPAQ deixou claro que, no mundo do eCommerce, quando é mais importante do que quanto. Também é importante pensar além do projeto, no negócio em si. Lembrou uma propaganda da Black and Decker, na qual um sujeito segura uma furadeira elétrica e diz, "Nosso negócio são buracos" (e não furadeiras). Disse, ainda, que os dirigentes de uma indústria de cosméticos - que ficou anônima, por razões óbvias - têm como lema "Nosso negócio é esperança".

O que fazer, então? Algumas idéias de Kelly para que o gerente de projetos de TI possa fazer frente ao novo e arriscado mundo do eCommerce são:

Os participantes perguntaram qual o perfil dos gerentes de projetos empregados por Kelly na COMPAQ, para poder enfrentar tal situação. Para satisfação dos PMP presentes (Project Management Professionals - profissionais certificados pelo PMI), Kelly informou que todos os gerentes de projeto da COMPAQ Professional Services são PMP ou estão no processo de obtenção da certificação. Ele entende que, embora não seja suficiente, a certificação PMP é uma condição necessária ao bom desempenho de um gerente de projeto.

Ross Kelly ainda respondeu algumas perguntas, sobre o tamanho dos projetos de eCommerce atualmente em andamento na COMPAQ. Disse que os projetos vão de US$ 500 mil a US$ 1,5 milhão em valor e de 3 a 6 meses em duração - projetos pequenos, portanto. A ferramenta de software utilizada é o MS-Project. No momento estão implementando o modelo de projetos SAP. Quanto às estimativas de prazos e custos, Kelly disse que são utilizados projetos anteriores como base de comparação. O mais importante, contudo, é que os clientes aceitam efetuar ajustes de prazo e custo, o que torna os projetos mais ou menos baseados em Time and Materials (T&M - modalidade de contratação na qual o cliente paga o tempo e materiais utilizados, ao invés de um preço fixo). Essa é uma solução compreensível na situação de incerteza e alto risco do eCommerce.

Espero que os leitores da DevMag tenham ficado com uma idéia do que se anda pensando sobre gerenciamento de projetos de eCommerce nos USA. Como sempre, o PMI é o melhor recurso para quem deseja atuar profissionalmente como gerente de projetos de TI. Informe-se sobre a certificação PMP, já existem vários profissionais brasileiros certificados.

Algumas URL para quem desejar se aprofundar mais:

www.pmi.org - site do PMI. Obtenha aqui uma cópia gratuita do PMBOK.

www.pmi-issig.org - site do PMI-ISSIG. Clique em PDS2000 e veja a agenda completa do evento que discuti brevemente aqui.

Recorra ao Chapter (Capítulo) do PMI mais próximo de você:

200.220.64.197 - site do PMI-RIO.

www.fea.usp.br/Programas/pmi-sp/index.htm - site do PMI-SP.

www.pmimg.org.br - Site do PMI-MG.

carneiro@br.unisys.com - e-mail de Margareth Carneiro, do PMI-Brasília.

Visite o site da organização do autor:

www.bfpug.com.br - Brazilian Function Point Users Group. Artigos e recursos sobre Métricas e Gerenciamento de Projetos de TI.

Mauricio Aguiar, CFPS é Engenheiro, Analista de Sistemas, Presidente do Brazilian Function Point Users Group, Membro do IFPUG Communications & Marketing Committe e Certified Function Point Specialist (CFPS) pelo IFPUG. Trabalha na Caixa Econômica Federal, onde exerce a função de Especialista em Tecnologia. É filiado ao PMI, ASQ e IFPUG. Pode ser contatado através do e-mail mauricioaguiar@yahoo.com.